quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Suspeito de tráfico ficava ligado nas comunicações da PM - TV Alterosa

video
Um homem foi preso sob suspeita de tráfico de drogas em Belo Horizonte. Com ele, militares encontraram um rádiocomunicador ligado na frequência usada pela Polícia Militar.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Vídeo incrível da NASA captura o que parece ser uma gigantesca nave alienígena

Uma câmera a bordo do satélite STEREO A parece ter capturado em vídeo um objeto que parece com uma nave espacial alienígena de verdade. O objeto desconhecido apareceu quando a CME – Coronal Mass Ejection do Sol atingiu o planeta Mercúrio. Assista ao vídeo e julgue por si mesmo.

video

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

MENINO FOI SALVO PELO USO DA BALA DE OXIGÊNIO DOADA PELO CVUBH.

Dr Francisco. Estou te enviando algumas fotos e te agradeçer pelo presente mais uma vez.,
foi pelo seu presente que hoje temos o garoto Max Daniel que foi atropelado por treis carros na Br 040 com quatro paradas respiratorias e hoje te envio a foto dele,
depois da nossa vizita em sua residencia em Belo Vale.
S.O.S. Vida Resgate Rodoviário

CVUBH DOA CARRETA PARA SANTUÁRIO DA SERRA DA PIEDADE

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Asteroide gigantesco se aproxima da Terra Astro que passará 'raspando' o planeta em novembro pode causar um estrago de 65.000 bombas atômicas

Um grande asteroide vai passar entre a órbita da Lua e a superfície da Terra no final do ano, segundo cálculos da Nasa (agência espacial americana). Se atingisse a Terra, a rocha provocaria um estrago equivalente a 65.000 bombas atômicas – e deixaria uma cratera com nove quilômetros de diâmetro e 600 metros de profundidade.

A rocha sideral, chamada YU55, será o maior objeto a se aproximar da Terra até 2028. Com 400 metros de diâmetro e pesando 55 milhões de toneladas, o asteróide passará a uma distância de 325.000 quilômetros do planeta no dia 8 de novembro. A Lua orbita a 384.403 quilômetros da Terra, em média.

Embora chegue bem perto, o efeito gravitacional do asteroide sobre a Terra será insignificante. De acordo com a Nasa, o astro não irá, por exemplo, afetar as marés.

O YU55 foi descoberto pelo astrônomo Robert McMilla, chefe do programa de observação espacial na Universidade do Arizona (EUA), em dezembro de 2005. O corpo celeste orbita o Sol a cada 14 anos, mas não irá entrar em rota de colisão com a Terra por pelo menos mais 100 anos.

Armageddon - Cientistas debatem há muito tempo sobre formas de impedir que asteroides potencialmente perigosos colidam com a Terra. Um dos métodos mais populares é a detonação de ogivas nucleares para mudar a órbita da rocha.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Bebida melhora a transmissão de energia

Pesquisadores da Universidade de Tsukuba (Japão) estavam desenvolvendo um novo supercondutor e resolveram mergulhar esse metal em várias bebidas alcoólicas - cerveja, saquê, vinho e uísque. Constataram que isso melhorava o supercondutor, que passou a transmitir energia com até 62% mais eficiência. A descoberta deve ter merecido um brinde.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Porque Diferenças Potenciais 110 e 220?


Segundo a equação r=I/U (resistência é igual a corrente dividida pela voltagem) uma voltagem de 220 sofre menos resistência, a corrente constante, do que a 110.

Resistência nada mais é do que  a perda de energia enquanto os elétrons trafegam pelo fio. Quanto maior a voltagem, menor a resitência. Por isso que a energia elétrica é conduzida a longas distância por fios de alta tensão (6000 volts usualmente).
Quando chega na nossa rua naqueles três fios mais altos dos postes, a energia está em 6000 ou 3000 volts e precisa passar por um transformador para ser convertido a 110 ou 220. Repare que os fios mais altos entram nos transformadores e saem para a fiação mais baixa do poste.
Eles vêm em alta tensão para diminuir a resistência e são convertidos para baixa tensão perto de nossa casa.
Pois é, aí vem a resposta para sua pergunta: em alguns locais, onde inicialmente a densidade habitacional é menor,  como cidades do interior e zonas rurais, as distâncias entre o transformador e as casas podem ser muito grandes.
Desta forma, a eletricidade tem que viajar um longo trajeto em baixa voltagem. Se este trajeto for percorrido a 220v, a resistência será menor, logo também a perda de energia, do que se ele trafegar a 110v.
Usualmente, cidades do interior possuem corrente em 220v pois a densidade habitacional é mais baixa e um mesmo transformador precisa servir casas muito distantes umas das outras.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

PARA QUEM ACHA NOSSO HOBBY DE RADIOAMADORISMO OBSOLETO OLHA QUE SHOW ESTE VIDEO


De volta para casa from Richard Valentini on Vimeo.
Os pombos-correio são animais esplêndidos. Dotados de uma faculdade especial de orientação, eles podem ser soltos à centenas de quilômetros de distância do seu local de nascimento e ainda assim conseguem orientar-se e retornar para casa. Este documentário é um retrato de uma fantástica corrida de pombos-correio que acontece todos os anos na região da grande Florianópolis e conta com a participação de vários criadores. devoltaparacasa.com 

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Raio mata 18 crianças e uma professora em Uganda

KAMPALA - Um raio provocou a morte de 18 crianças e uma professora ao atingir uma escola em Uganda. A descarga elétrica acertou as vítimas dentro de uma sala de aula na cidade de Kiryandongo, a 210 quilômetros ao norte da capital, Kampala. Mais 38 crianças ficaram feridas e foram levadas a hospitais.
Uganda tem um dos maiores índices de mortes por raios no mundo, e sua capital tem mais raios por ano que qualquer outra cidade no planeta, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial.
O país no leste da África tem sofrido com uma onda ainda maior de descargas elétricas durante fortes chuvas que acontecem fora da estação em que as descargas são mais frequentes.
Meteorologistas locais criticam o governo por não instalar para-raios suficientes em meio à crise. O tema foi debatido no Parlamento, onde políticos exigiram que o governo elabore uma estratégia para lidar com a questão.
- Eu não sei qual ministério é responsável pelos raios, mas vamos esperar uma decisão do governo para informar ao país o que está acontecendo e então podemos cuidar disso - disse a presidente do Parlamento, Rebecca Kadaga.
De acordo com a polícia, as 19 vítimas morreram em consequência de um único raio. As crianças estavam prontas para sair da escola, mas uma tempestade teria feito o grupo permanecer na sala de aula.
Entre os feridos, 15 ainda continuaram hospitalizados para tratarem de queimaduras. Segundo a mídia local, o número de mortes pode aumentar.
De acordo com o jornal estatal "New Vision", pelo menos 40 pessoas morreram por causa de raios nas últimas semanas. Grande parte das vítimas é criança. Entre elas estão três irmãos de 4, 6 e 8 anos que morreram na semana passada ao serem atingidos depois de se abrigarem sob uma árvore.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2011/06/29/raio-mata-18-criancas-uma-professora-em-uganda-924793010.asp#ixzz1Qgq20Zlt
© 1996 - 2011. Todos os direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Pesquisadores do MIT desenvolvem novo tipo de bateria líquida

Material à base de lítio viscoso podem servir de combustível para carros elétricos do futuro.

Pesquisadores da classe de Ciências de Materiais, no Instituto de Tecnologia de Massachusetts, divulgaram a pesquisa sobre um novo tipo de bateria que usa materiais semissólidos como compostos ativos. A nova bateria poderia ser usada em veículos elétricos, com o potencial de competir com os combustíveis fósseis de igual para igual.
Batizado de “Cambridge Crude”, o material viscoso usa lítio quebrado em pequenas partículas envolto em um líquido que serve de eletrólito. Dessa forma, ele poderia ser facilmente “bombeado” para fora quando tiver sua energia descarregada e substituído por um novo e pronto para o uso.
Os pesquisadores afirmam que, no futuro,  o consumidor teria o melhor dos dois mundos: “reabastecer” com o líquido novo quando ficar sem energia ou, se ele tiver tempo para deixar o carro parado, recarregar a bateria em casa da maneira convencional. O mesmo conceito já havia sido descoberto antes, mas era incapaz de produzir a capacidade de armazenamento necessária para ser competitivo.
Diagrama do sistema (esquerda) e amostra do composto (Fonte da imagem: MIT News)
A princípio, o novo tipo de bateria não seria o mais adequado para aplicações que demandam portabilidade, pois não pode ser miniaturizada e também não pode liberar grandes descargas de energia em um curto período de tempo, como fazem as células de íons de lítio e os capacitores.
O projeto está sendo parcialmente financiado pela Agencia de Pesquisas Avançadas em Energia (ARPA-E, Departamento de Defesa) e tem como objetivo produzir um protótipo totalmente funcional e pronto produção em larga escala em dois anos.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Abelhas são vítimas da RF

Estudo mostra que abelhas são influenciadas por campos eletromagnéticos dos aparelhos eletrônicos, desnorteando-se e morrendo.


Daniel Favre, pesquisador do Swiss Federal Institute of Technology (EPFL), ou Instituto Federal Suíço de Tecnologia, afirma que as chamadas realizadas por celulares podem matar abelhas. O estudioso e sua equipe realizaram 83 experimentos para registrar as reações desses insetos.
Expostas a celulares que realizavam chamadas, as abelhas emitiram sons dez vezes mais altos do que normalmente emitem. Depois de algum tempo, os insetos apresentaram movimentos desnorteados, até que pousaram e morrerem.
Esses ruídos mais altos são utilizados pelas abelhas para alertar o restante da colônia sobre perigos – um sinal para abandonar o local. Os campos eletromagnéticos são os responsáveis pela indução dos insetos a emitirem o sinal de aviso, oferecendo sérios problemas para colônias inteiras. Clique aqui para conferir a pesquisa publicada por Favre.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Cientistas americanos procuram sinais de vida em 86 planetas

Um radiotelescópio localizado na zona rural da Virgínia Ocidental começou a pesquisar sinais de vida alienígena em 86 planetas com condições atmosféricas semelhantes às da Terra, disseram astrônomos americanos nesta sexta-feira.
O telescópio gigante começou a apontar para cada um dos 86 planetas, a partir de uma lista de 1.235 possíveis planetas previamente identificados pelo telescópio Kepler, da Nasa, e irá coletar informações de cada um deles 24 horas por dia.
"Ainda não estamos certos de que todas esses planetas são habitáveis, mas eles, com certeza, são lugares muito bons para se procurar por extraterrestres", disse o estudante da Universidade de Berkeley (Califórnia), Andrew Siemion.
A missão é parte do projeto Pesquisa por Vida Inteligente Extraterrestre (SETI, na sigla em inglês), que foi lançado em meados dos anos 80. No mês passado, no entanto, o SETI anunciou que iria interromper projetos estimados em 50 milhões de dólares devido à déficits orçamentários.
Astrônomos esperam agora pelo Telescópio Green Bank, uma nova versão de um telescópio anterior que foi derrubado por uma tempestade em 1988, que quando pronto ajudará a fornecer informações sobre planetas capazes de sustentar vida, ainda que em pequena escala.
"Nós temos escolhido planetas com temperaturas agradáveis - entre zero e 100 graus celsius - porque eles possuem um potencial maior de conter vida", disse o físico Dan Werthimer, cientista da SETI. O projeto deve levar até um ano para ser concluído e contará com a ajuda de uma equipe de um milhão de astrônomos que trabalham de casa, conhecidos com SETI@home.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Antena que busca ETs é desativada

Se o ET telefonar para a Terra, ele receberá um sinal de "desconectado". Sem dinheiro para pagar suas despesas operacionais, o Instituto Seti, na Califórnia, Estados Unidos, desligou a tomada do famoso Allen Telescope Array, um conjunto de antenas de rádio que vasculha os céus buscando sinais de civilizações extraterrestres.
 
Sem sinal. Allen Telescope Array, um conjunto de radiotelescópios construído nos EUA

Em uma carta enviada a doadores na sexta-feira, o presidente executivo do Instituto Seti, Tom Pierson, disse que, na semana passada, o conjunto de antenas foi colocado em "hibernação" por falta de apoio governamental adequado.


O momento não poderia ser pior, se queixam cientistas do Seti. Após anos de contemplação, astrônomos anunciaram recentemente que 1.235 novos possíveis planetas foram observados pelo Kepler, um telescópio montado em um satélite espacial.

Os cientistas acreditam que dezenas desses planetas devem ser do tamanho da Terra - e alguns estarão na "zona habitável", aquela na qual as temperaturas são apropriadas para a existência de água líquida.

"Há uma enorme ironia", afirmou a diretora do Instituto Seti, Jill Tarter. "No momento em que descobrimos tantos planetas para olhar, não temos os recursos operacionais para ouvi-los."

O astrônomo sênior do Seti, Seth Shostak, disse que a suspensão do projeto seria o mesmo que deixar as caravelas portuguesas "Santa Maria, Pinta e Nina ancoradas... Nosso negócio é explorar".

O financiamento do Seti sempre foi um problema para os cientistas. O que está faltando agora, porém, é financiamento para sustentar os custos rotineiros da operação das antenas. Seriam necessários US$ 5 milhões nos próximos dois anos. / MCT. TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

sábado, 16 de abril de 2011

ANTENÇÃO: tradutor de frases em inglês ditas ao microfone no Google

Recurso está disponível somente para quem usa a versão Beta do Chrome (Fonte da imagem: Reprodução)
Desde a última quinta-feira (14), o Google Tradutor passa a traduzir, além de textos e sites, frases em inglês ditas ao microfone. Para usufruir do serviço, porém, é preciso usar o Google Chrome 12, ainda em versão Beta. Então, acesse a página do tradutor, clique no botão em forma de microfone presente na tela e fale o que deseja traduzir.
Vale lembrar que o recurso reconhece apenas frases ditas em inglês, traduzindo-as para qualquer um dos 50 idiomas reconhecidos pelo serviço. A opção de traduzir frases ditas ao microfone já estava disponível para a versão portátil do Google Tradutor.

Vou testar hoje ainda PY4CC João Mauro

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Nanoantenas de carbono superam antenas tradicionais em aplicações sem fio

Nanoantena
"Ela transmite quase tão bem quanto uma antena de cobre comum, mesmo tendo apenas um décimo de milésimo de seu peso." É assim que os pesquisadores da Universidade de Cincinnati, nos Estados Unidos, descrevem a sua nanoantena, construída com uma fibra feita com nanotubos de carbono.
Para testar a nanoantena e comprovar sua incrível eficiência, os pesquisadores abriram um telefone celular e substituíram a antena do aparelho pela finíssima fibra de nanotubos de carbono que eles teceram em seu laboratório.
Antena dipolo de carbono
"A surpresa mais agradável foi como foi fácil fazê-la funcionar. A parte mais difícil é manipular a antena. Ela flutua no ar ambiente," conta David Mast, que desenvolveu a nanoantena em colaboração com seus colegas Vesselin Shanov e Mark Schulz.
Para facilitar os testes, os pesquisadores colaram sua antena dipolo de nanotubos de carbono, que mede apenas 25 micrômetros de diâmetro, em uma fita adesiva.
A nanoantena tem inúmeras possibilidades de uso, podendo servir para transmitir dados em equipamentos superminiaturizados, como implantes médicos, etiquetas RFID e em roupas inteligentes, que poderão ter equipamentos eletrônicos incorporados no interior das fibras do tecido.
Elétrons na superfície
A antena de nanotubos de carbono funciona tão bem porque os elétrons estão sempre tentando ir para a superfície do material por onde eles transitam. Como o cobre é um material maciço, resta uma superfície pequena para que eles transitem.
Na fibra de nanotubos de carbono, os elétrons podem ir sempre para a superfície dos diversos nanotubos individuais que compõem a fibra. Em vez de vencer a resistência para caminhar no interior de um material maciço, eles estão sempre na superfície, que é onde eles trafegam com maior eficiência. Além disso, os nanotubos são ocos, o que deixa ainda mais área superficial à disposição dos elétrons.
Substituindo as fiações de cobre
"As fibras de carbono têm uma fração dos atuais condutores de cobre e as antenas poderão ser aplicadas diretamente [nos equipamentos], podendo ter importância significativa em atividades aeroespaciais. Em um avião, há várias centenas de quilogramas de cabos e fiações de cobre," diz Mast.
Agora os pesquisadores planejam melhorar a resistência de suas fibras, tecendo-as em múltiplas malhas, além de encontrar empresas que estejam dispostas a fabricar as nanoantenas em escala comercial.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

PY4MN Montes | Acho importante a participação de todos!

Convite de Participação para
Conteste em Homenagem ao Lançamento Simbólico do
Selo do Sesquicentenário do Pe. Landell de Moura.
O Clube Militar do Rio de Janeiro, estará realizando em sua sede esportiva da Lagoa, no próximo dia 19 de abril de 2011, o Lançamento Simbólico do Selo Comemorativo do "Sesquicentenário de Nascimento do Padre Roberto Landell de Moura",  Patrono do Radioamador Brasileiro.

         Nesse dia, também, estará sendo realizado o Conteste Radioamadorístico, com o mesmo tema, com objetivo de integrar os radioamadores e as principais rodadas brasileiras convidadas e atuarão como Estações Sub-Diretoras, visando assim a maior abrangência deste nosso vasto território.
       Aos participantes do evento, a Estação PY1CML do Clube Militar, estará enviando Diplomas e Cartões de QSL, com menção a origem do contato.
         O QAP Patrulha do Meio-Dia conclama seus participantes, para participar dessa comemoração, em prol do radioamadorismo brasileiro.
         
         O regulamento completo desse conteste você encontrará no site da PATRULHA DO MEIO-DIA:  www.patrulhadomeiodia.net
         Certos de que estarão conosco, em mais este evento do radioamadorismo brasileiro, antecipadamente agradecemos a sua participação.
Cordialmente.
Sylvio Mattos - PY1SM

sábado, 2 de abril de 2011

Pesquisador desenvolve método para criar energia a partir da água

Processo é semelhante à fotossíntese das plantas e poderia gerar energia elétrica para bilhões de pessoas ao redor do mundo.

Baseando-se no processo em que as plantas geram energia para si mesmas por meio da sintetização da luz solar, o pesquisador do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), Daniel Nocera, conseguiu criar energia elétrica a partir da água e de forma mais eficiente do que usando células fotoelétricas (células solares) convencionais. Dessa forma, um ou dois copos de água seriam capazes para suprir de energia uma casa durante um dia inteiro.
Já não é de hoje que a ciência tenta reproduzir a ação das plantas, que quebram uma molécula de água para obter oxigênio e hidrogênio e, assim, se alimentar. Com o hidrogênio, elas combinam o dióxido de carbono e fazem açúcar, e a conseguinte recombinação do hidrogênio com o oxigênio gera energia. O dilema humano sempre foi pular a etapa da criação de açúcar e ir direto para a última, na qual a energia é criada efetivamente. Foi isso que Nocera conseguiu fazer.
Nocera, que é químico e engenheiro, trabalhou com uma folha artificial de cobalto e fosfato para dividir as moléculas de hidrogênio e oxigênio da água usando apenas raios solares. Assim, quando esses dois elementos são recombinados, geram energia de modo bem mais eficiente do que normalmente fazem as células solares.
Os gases formandos pela reunião de hidrogênio e oxigênio são mais facilmente armazenados em algo que pode vir a ser uma célula combustível. Isso pode servir como alternativa limpa e eficiente para combustíveis fósseis e mesmo para biocombustíveis feitos a partir de alimentos, como o etanol.
A ideia do engenheiro do MIT para este ano é criar uma estação do tamanho de um refrigerador para geração de energia. A miniestação seria capaz de, com um copo e meio de água (água “suja”, inclusive), gerar eletricidade suficiente para alimentar uma casa por um dia.
Apesar de incipiente, o projeto de Nocera, que já começou a ser comercializado após uma parceria com o Tata Group, é bastante promissor e pretende servir como opção para a crescente demanda do planeta Terra por energia.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Baterias podem ser carregadas em apenas dois minutos

Pequeno eletrodo permite o uso da tecnologia em baterias de lítio e níquel.
A larga utilização de baterias no mercado de eletrônicos levou os cientistas a pesquisar materiais que pudessem acelerar o processo de recarga deste componente sem afetar o seu desempenho na alimentação dos produtos. Depois de diversos estudos e testes, alguns com relativo sucesso, os pesquisadores descobriram um eletrodo que pode tornar a recarga das baterias muito mais rápida.
O interessante é que o eletrodo pode ser utilizado tanto em baterias de lítio quanto de níquel, diferente das pesquisas anteriores que eram focadas apenas no primeiro tipo. Os autores da pesquisa são da Universidade de Illinois.

Uma nova estrutura

As novas pesquisas usam uma abordagem diferente daquela utilizada anteriormente. Enquanto os estudos estavam focados no quão rápido um íon de lítio consegue se mover dentro do material da bateria, o que determina a velocidade com a qual a recarga é efetuada, a descoberta mais recente tem como objetivo reduzir a distância que o íon precisa percorrer até atingir um eletrodo.
Diminuindo essa distância, o processo de carregar a bateria é realizado mais rapidamente. O método utilizado pelos cientistas para tornar isso possível é relativamente simples. O que eles fizeram, grosso modo, foi reorganizar os itens da bateria e diminuir um pouco o tamanho dos componentes internos. Ajustando o tamanho das esferas de poliestireno presentes nas baterias, eles conseguiram ajustar o espaçamento entre os eletrodos. Com as esferas fixadas em suas devidas posições, elas foram revestidas com uma camada de opala (uma forma de sílica).
Depois disso, uma placa de níquel foi eletrodepositada na opala, seguida pelas demais camadas de uma bateria. Quando o processo de construção da bateria é finalizado, cerca de 94% do espaço na estrutura está vazio, o qual é então preenchido com matéria de bateria (lítio ou níquel).
De acordo com os autores do estudo, a nova estrutura traz três benefícios: uma rede de poros de eletrólitos que possibilita o rápido transporte de íons, uma menor distância entre os íons e os eletrodos e um eletrodo com alta condutividade de elétrons.
Todas essas vantagens fazem com que a bateria funcione como um supercapacitor quando o assunto é carga e descarga. Utilizando níquel como material de bateria, os eletrodos são capazes de recarregar 75% da bateria em 2,7 segundos, e apenas 20 segundos para que a carga chegue a 90%.
O lítio não apresentou resultados tão bons, mas ainda assim o tempo de recarga é impressionante, levando cerca de um minuto para carregar 75% da bateria e pouco mais de dois minutos para que 90% da carga seja efetuada.

Para quando?

De acordo com os cientistas responsáveis pelo estudo, a tecnologia e os materiais utilizados na pesquisa permitem a produção em larga escala deste novo tipo de bateria. Testes ainda precisam ser realizados a fim de garantir a qualidade e a segurança do dispositivo de alimentação, mas se tudo correr como o esperado, logo a tecnologia deve estar disponível no mercado.

terça-feira, 22 de março de 2011

Pesquisadores norte-americanos criam antena 3D

Utilizando impressão de nanopartículas de prata, acadêmicos da Universidade de Illinois criam antena com magnitude de frequência maior e tamanho menor que as convencionais.
Com modelos de celulares e smartphones cada vez menores e mais potentes, as fabricantes encontram problemas em adaptar antenas que acompanhem o desempenho do hardware desses eletrônicos. Uma equipe de pesquisadores da Faculdade de Engenharia da Universidade de Illinois, nos EUA, desenvolveu um método de impressão em nanoescala para a criação das antenas 3D.
A técnica desenvolvida por Jacob Adams, Jennifer Bernhard e Jennifer Lewis utiliza nanopartículas de prata impressas na parte interna de hemisférios de vidro. “Com a impressão diretamente no substrato hemisférico, nós temos uma antena altamente versátil, que se aproxima dos limites fundamentais ditados pela física (conhecido como limite de Chu)”, explicou Bernhard em publicação da Universidade.
A frequência de operação da antena 3D é determinada, principalmente, pela seção transversal de impressão e espaçamento entre as linhas que circundam o hemisfério de vidro. De acordo com os pesquisadores, o método possui flexibilidade para ser adaptado a outras superfícies.
Tal característica permitiria sua compatibilidade com outras frequências, potencializando o seu encapsulamento e a redução de tamanho dos gadgets. O menor desgaste da antena, devido à ausência de componentes mecânicos, é outra vantagem desta tecnologia.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Comunicação através de anéis de vento será aplicada em robôs

Grilo que vive em cavernas inspira a tecnologia, que evita interceptações.

Pesquisadores da Monash University em Clayton, na Austrália, estão em fase de desenvolvimento para implementar um novo sistema de comunicação entre robôs. Longe das tecnologias envolvendo um sinal digital ou de rádio, a descoberta da vez é através de anéis de ar disparados pelas máquinas, em um procedimento totalmente silencioso.
A inspiração veio do mundo animal: é o Phaeophilacris spectrum, uma espécie africana de grilo que vive em cavernas. O inseto utiliza algo bastante similar para se comunicar com as fêmeas e indicar a aproximação da época de reprodução sem atrair eventuais predadores.
A comunicação ocorre através de anéis de ar em vórtice (como um círculo de fumaça, porém invisível), criados quando uma rajada de vento é expelida por uma cavidade até a superfície. No caso das máquinas, a interceptação e codificação desse sinal é bem mais complicada.
Uma abertura de 2 centímetros em formato de cone foi feita em dois robôs para a passagem de informação, que até agora só alcança a distância de, no máximo, 30 centímetros. Segundo os pesquisadores, a tecnologia será de grande uso para a robótica nos sistemas comunicacionais futuros.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Estudo indica que telefone celular altera atividade cerebral


Um estudo americano sugere que o uso de telefones celulares por um período prolongado pode afetar o funcionamento de nossos cérebros, ainda que não haja conclusões sobre os efeitos disso na saúde.
Os cientistas dos Centros Nacionais de Saúde dos EUA (NIH) notaram que, após 50 minutos de conversa no celular, havia 7% mais consumo de açúcar no cérebro nas regiões próximas à antena do aparelho. A presença de glicose é um sinal de aumento na atividade cerebral.
A pesquisa, feita com 47 pessoas e publicada no periódico Journal of the American Medical Association, é uma das primeiras a investigar os efeitos fisiológicos do celular ao observar os efeitos de seus campos magnéticos.
Os participantes do estudo ficaram com dois celulares colados a seus ouvidos, um desligado e um ligado (mas sem volume, para que eles não notassem a diferença entre cada aparelho). Durante 50 minutos, os pesquisadores monitoraram, com um scanner, a diferença nos níveis de glicose e observaram que, no lado do cérebro próximo ao telefone ligado, a presença de açúcar era maior.
Saúde
O estudo, porém, não oferece nenhuma conclusão sobre possíveis riscos para a saúde contidos no uso do celular. "Esses resultados não provam potenciais efeitos cancerígenos (do celular) ou a ausência deles", diz a pesquisa.
Um amplo estudo de 2006 sobre o mesmo tema, com 42 mil usuários de celulares na Dinamarca, tampouco obtivera evidências de relações entre o uso do celular e a incidência de câncer.
Para o professor Patrick Haggard, do Instituto de Neurociência Cognitiva da Universidade College London, o estudo americano traz conclusões interessantes, mas lembra que "flutuações muito maiores nas taxas metabólicas do cérebro ocorrem naturalmente, por exemplo enquanto bebemos".
"No entanto, se próximos estudos confirmarem que o sinal do celular tem um efeito direto no metabolismo, daí será importante investigar se esses efeitos terão implicações na nossa saúde", afirmou Haggard.
"Não podemos determinar a relevância clínica do estudo, mas nossos resultados mostram que o cérebro humano é sensível aos efeitos dos campos magnéticos em exposições (prolongadas)", disse ao site especializado MedPage Today Gene-Jack Wang, um dos responsáveis pela pesquisa americana. Mas Wang adverte que "mais estudos são necessários para avaliar se os efeitos que observamos podem ter consequências potenciais de longo prazo".

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Conceito de tomada para conectar múltiplos dispositivos

The Plug Socket é um conceito de tomada criada pelo designer chinês Xie Chen Chen. A novidade possibilitaria que os consumidores conectassem múltiplos dispositivos sem a necessidade de adaptadores. Além disso, a nova tomada teria um espaço especial para o usuário colocar o smartphone para repousar enquanto carrega.
O mesmo compartimento também poderia ser utilizado para colocar o excesso de cabos que ficam atrapalhando no chão. As imagens divulgadas mostram conexões do padrão asiático, todavia seria possível adaptar para outros modelos. Não há informações se este dispositivo seria conectado a uma tomada já existente ou se funcionaria como uma tomada comum (sendo preciso instalar diretamente na fiação elétrica).

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

NOVIDADE NO AR

  A multimídia radioamadoristica de alta velocidade via "Hinternet", Internet com H (de Ham internet), ou Internet dos Radioamadores, pode ser a próxima grande novidade do Radioamadorismo. Este é o objetivo do Grupo de Trabalho multimídia de Alta Velocidade da ARRL, cuja sigla oriunda da denominação em inglês ´HSMM, que está adaptando o popular protocolo de Internet sem fios IEEE 802.11b Part 15, para operação por Radioamadores. Estas referências são especificas da legislação dos Estados Unidos.
" Nós esperamos, não seja nada menos que, revolucionário", disse John Champa K8OCL, que coordena o Grupo, um sub-setor da Força Tarefa de Tecnologia da ARRL. O assunto, bem como os trabalhos do Grupo, podem ser acompanhados na Internet em  http://www.arrl.org/hsmm/.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

RADIOHAUS INSTALA RÁDIOS EM ALDEIAS INDÍGENAS

Desde abril de 2010, com a nova composição societária da Radiohaus, a empresa passou a desbravar novos mercados e a buscar novas oportunidades.

No último mês de novembro a Radiohaus passou a participar de licitações com o objetivo de vender para diversos governos municipais, estaduais e diversos órgãos federais como Forças Armadas, Polícia Federal, Infraero, FUNAI, FUNASA, etc.

Nessa busca por novas oportunidades a empresa ganhou uma grande licitação para o fornecimento e instalação de estações de rádio HF/SSB para a FUNASA (Fundação Nacional de Saúde) de Rondônia.

Foram licitados dois lotes e ganhamos o lote de 25 estações HF com fonte de alimentação e antena dipolo para 7.685kHz. O ganhador do outro lote de rádios também optou em comprar os equipamentos com a Radiohaus para se beneficiar da garantia e assistência técnica oferecida pela Radiohaus sobre os equipamen­tos ICOM.

O objetivo da FUNASA-RO é dar condições para que as aldeias indígenas tenham condições de se comunicar a longas distâncias entre sí e com postos da Funasa, para que possam solicitar remédios, socorro, atendimento a indígenas doentes, etc.

Em alguns locais as antenas foram instaladas na configuração dipolo horizontal e em outros foram montadas como V invertido.

As instalações serão feitas em várias aldeias de Rondônia e Amazonas, algumas delas só acessíveis por viagem de barco de mais de 10 horas.

Erwin, PY2QI, um dos sócios da Radiohaus esteve entre os dias 28 de janeiro e 1 de fevereiro visitando e auxiliando na instalação em algumas aldeias em Porto Velho e Guajará-Mirim (RO).

Brito, PW8JS, técnico em telecomunicações, Cacique da aldeia, Erwin (Radiohaus) e indígena da Aldage Velha localizada no município de Guajará-Mirim, Rondônia.